A luta do crente contra a tentação.

Com o pecado não se flerta! Devemos sempre nos lembrar dessa verdade e ter uma postura radical com o pecado, cortá-lo na raiz. A raiz d...


Com o pecado não se flerta! Devemos sempre nos lembrar dessa verdade e ter uma postura radical com o pecado, cortá-lo na raiz. A raiz do pecado é a tentação e a raiz da tentação são os nossos maus desejos. Precisamos deixar que o Espírito Santo converta os nossos desejos aos desejos de Cristo, para que assim, a gente só deseje aquilo que Jesus Cristo desejaria.
Jesus, no deserto diante da tentação do diabo, repreendeu o inimigo dizendo: “Retira-te Satanás” (Mt 4.10). Quando foi estimulado a desistir da cruz, também repreendeu a tentação do maligno veementemente: “Afasta-te de mim, Satanás” (Mt 16.23).
A cobiça nos coloca em condição de tentação. A tentação dá espaço para o pecado e o pecado produz morte [PONTO]! Por isso, aquele que nasceu do Espírito, aquele que crucificou o velho homem na cruz, luta com todas as forças contra a tentação, sabendo que:

“Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; Ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, Ele lhes providenciará um escape, para que o possam suportar.” (1Co 10.13)

Mas qual é o escape?
O escape que Deus nos concede é a comunidade, os nossos irmãos. Repare bem no texto que diz: “[…] Ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar”. O texto é comunitário, assim como todo o movimento da Fé Cristã. A tentação é de todo mundo, por isso, minha luta é também a luta do meu irmão, pois, como o próprio apóstolo vai afirmar alguns versos depois, “por haver um único pão, nós, que somos muitos, somos um só corpo, pois todos participamos de um único pão” (1Co 10.17).
O escape contra as tentações não é a força do nosso braço, mas sim a oração dos nossos irmãos. Traga para a luz a sua tentação, compartilhe com os “amigos mais chegados que irmãos”. Deixem que eles orem por você naquelas situações em que nem você consegue mais orar. Permita que a cura e a libertação de Deus venham por intermédio da comunidade, “pois muito pode a oração de um justo em sua eficácia” (Tg. 5.16). 

Excelente meditação escrita por Calebe Ribeiro é um dos pastores de jovens da Igreja Presbiteriana do Recreio, no Rio de Janeiro (RJ). É também missionário da Missão Jovens da Verdade.
Texto extraído do site Ultimato Jovens

Postagens Relacionadas

0 comentários